A arte em nossa vida

Author: Alberto Pires /


Como é impressionante o poder da arte, ela embala a solidão como se fosse uma mãe, afagando o seu filho no colo sem receios, sem pudor, sem barreiras...
Como ela dá cores novas ao cotidiano!
Os nossos momentos ficam mais alegres e através dela todos os homens comuns se tornam artistas, pois cada um sabe viver seu personagem, de acordo com sua real necessidade...
O cantor abre seu descontentamento com suaves melodias;
O escultor expressa toda a extravagância que existe em sua alma;
O poeta usa as palavras para afugentar a solidão;
O ator se cobre com insanos rostos para quem sabe achar o seu;
O instrumentista desenha com seus dedos todas as rotas do seu destino;
O escritor transcreve para o seu livro todo o final da sua verdadeira historia, até porque como todos dizem; que a vida imita a arte e a arte imita a vida;
E por ai vai à arte espalhando conteúdos para muitas almas solitárias, pois ela não tem de ser entendida, ela tem que ser vivida, com a total entrega daqueles que sabem como viver, pois cada um , é um sobrevivente do seu próprio mundo...
Com a arte milagres acontecem, isso depende muito do olhar que devemos ter perante o artista, pois tudo na vida é relativo, isso é uma certeza absoluta, eu posso não gostar de um determinado artista, mas com certeza alguém em minha volta gostará, pois sempre achamos à tradução daquilo que realmente nos interessa.
Ouço muitas pessoas criticarem novelas, seriados, programas de modo geral em televisão, mais isso tudo depende muito como olhamos os referidos entretenimentos, pois temos que buscar a essência de cada palavra para levarmos para nossa vida pessoal, muitas vezes as pessoas são ávidas de cultura, mas como poder saciá-las? Sabemos que o acesso só é permitido a poucos, e com isso só nos resta a TV, sabendo identificar cada gesto, cada palavra, cada exemplo, com certeza traremos para nosso convívio boas lições.

E que venha a arte em todas as formas...
Estarei de braços abertos para recebê-la!

Alberto Pires

5 comentários:

Maiara Macedo disse...

Aqui estou a ler seu Blog e não poderia deixar de fazer meu comentário.
Sempre que leio algo seu, fico entusiasmada com a linda forma de enxergar as coisas. E nessa postagem, é muito interessante o seu olhar sobre a relatividade da vida e da arte. É um bom texto para refletir.
Serei leitora assídua de seus escritos e poesias.
Um forte abraço

Fabio Menezes disse...

To passando pra bater o ponto.Risos... Tô de brincadeira, mais de certa forma falando e prestigiando sua arte de falar e o seu jeito de expor, mais de tudo o melhor é ser o seu amigo e te compreender o suficiente pra dizer que seu poemas são lindos e suas ideías que a colocas em papel.

Um abraço daquele abraço!!

Lilian Simões disse...

Arteiro Alberto,

Que delícia é a vingança kkkkkkkk sempre me deixando de saia justa no meu blog,agora tome o seu.
Artista arteiro,arteiro artista sua arte é tudo isso e de uma forma bem simples "como querer Albertizar o que há de bom."
Abraços.

mf_cintra disse...

Betooooo!!

Achei!!! Hahhahahahaha...
Respondi ao seu comentário lá mesmo no de Lilian, viu? Hehehehe... :)
Tô adorando seu blog, ainda não tive tempo de ler tudo, mas já li algumas coisas, e sim... vc continua escrevendo bem como eu me lembrava e como tb já tinha ouvido falar... =D
Vc tem uma sensiblidade incrível para tratar das coisas da vida, e neste post em especial, foi encantador ler sua visão sobre a arte! Muitoo bom mesmo!
Mas devo confessar que me encantei ainda mais com o post antigo: "Verbos", adoooooreeei!
Virarei leitora assídua aqui também, com certeza!!!

BeijOs! :*

Marcelo Soli disse...

Beto, 10.000 desculpas por não ter comentado seu blog anteriormente, apesar de tê-lo lido e me emocionado no post “Ipirá de todos os ritmos” principalmente no parágrafo sobre a 10.000 Destinos.

Uma das coisas que sinto mais falta no meu carro era sair à noite sem destino ouvindo Pink Floyd. Salvou minha vida muitas vezes. Acabei lembrando das inúmeras sessões de cinema que freqüentei em Salvador. Toda aquela sensação da escolha do filme, o saguão do cinema, a pipoca e o refrigerante, e é claro, o filme. Desculpem-me os DVDs maníacos, mas cinema é cinema... rsrsssss

Você termina seu texto dizendo que “só nos resta a TV”. Creio que você esqueceu da maior e mais fantástica ferramenta de informação e liberdade do universo, a Internet. Falo por mim, faço dela uma ferramenta de pesquisa constante. Enquanto esse comentário, to ouvindo “Lampirônicos” que acabei de baixar – “Quem mora no interior, vai buscar o interior, quem morar na capital, vai buscar o capita”. Semana passada baixei uma banda mineira chamada “O Terço”, incrivelmente fantástico. Essas coisas só temos acesso na net. Graças a malucos que acreditam na arte e na liberdade!

Cara, vou levar pra você uns materiais que baixei assim que tiver meu PC de volta.

Abraço e sucesso !
Meu MSN >>> marcelosoli@hotmail.com
Tomei a liberdade de acrescentar um link seu no meu blog >>> http://marcelosoli.blogspot.com

Postar um comentário